Sobre nós

Levar desenvolvimento e qualidade de vida para as famílias sem comprometer o planeta. É assim que todos devemos nos comportar através da educação ambiental ao desenvolvimento de novas tecnologias produtivas, tendo o meio ambiente como prioridade. O aproveitamento das fontes renováveis de energia e soluções de eficiência energética ganham destaque nas iniciativas das empresas. Onde permitem elevar a qualidade de vida de famílias e incrementar atividades econômicas, no entanto, sem agredir a natureza. Projetos assim evitam a adoção de medidas com alto impacto ambiental. saiba mais »
Loja Redmax

Redes Sociais

RSS Feed Twitter Facebook Delicious

Cadastre seu e-mail

Pinguim-de-Magalhães, o visitante migratório do Brasil

Postado por Defensor da Natureza em 15 de junho de 2015 recebeu: 0 Comentários »

Ele está sempre em lugares bem frios, adora um peixinho e são ótimos nadadores. Adivinhe de quem estamos falando?!

Ele é o Pinguim-de-Magalhães.

 

Seu nome científico é Spheniscus magellanicus, seu tamanho é de 65 a 75 centímetros de comprimento, e pesa de 4,5 a 6 kilos

Esta espécie de pinguim mora nas Ilhas Malvinas, Argentina, Chile e realizando movimentos migratórios em determinadas épocas para o Brasil. Eles gostam de se alimentar de peixes, lulas, krill e outros crustáceos.

Os Pinguins-de-Magalhães formam casais monogâmicos e a fêmea põe dois ovos brancos que levam entre 39 a 42 dias a incubar. O casal se reveza para alimentar os filhotes.

Alguns pinguins, provavelmente jovens não possuem sentido de orientação bem definido, quando entram no mar em busca de alimento, perdem-se com facilidade, acabam pegando carona com uma corrente de água fria chamada corrente de Falkland, ela se desloca do sul para o norte, e alguns destes jovens podem parar até na Bahia. Os pinguins possuem uma camada de óleo nas penas, que as torna impermeáveis. O calor pode derreter esta oleosidade, isto dificulta sua natação, e que consiga se proteger do frio, esta é umas das causas que acaba matando os pinguins.

Nadam com velocidade para fugir de seus predadores mais habituais (tubarões, pinípedes, orcas, entre outros), podendo atingir 36 a 40 km/h, nadando até 170 km em um único dia (Pütz et al 2007). Utilizam suas patas e membranas interdigitais como leme, sendo o primeiro dedo dirigido parcialmente para frente, integrando a membrana natatória (Sick 1997).

Os Pinguins-de-Magalhães são classificados pela União Internacional de Conservação da Natureza como uma espécie quase ameaçada de extinção (IUNC, 2010). Com o propósito de evitar o agravamento da situação de ameaça desta espécie, iniciou-se em 2010 a elaboração conjunta de um Projeto Nacional de Monitoramento da espécie, buscando sua construção e implementação coletiva. Este processo envolveu atores da sociedade e do governo brasileiro.

O intuito do Projeto é ampliar o conhecimento sobre o Pinguim-de-Magalhães no Brasil e otimizar os esforços de pesquisa, reabilitação e monitoramento, possibilitando a contribuição e integração de iniciativas em prol da conservação.

Tratando-se de uma espécie migratória, estas iniciativas devem ser consideradas em conjunto com outros países da América do Sul, que detém as colônias reprodutivas.

 

Postado em: Animais Silvestres, Curiosidades



Resposta