Sobre nós

Levar desenvolvimento e qualidade de vida para as famílias sem comprometer o planeta. É assim que todos devemos nos comportar através da educação ambiental ao desenvolvimento de novas tecnologias produtivas, tendo o meio ambiente como prioridade. O aproveitamento das fontes renováveis de energia e soluções de eficiência energética ganham destaque nas iniciativas das empresas. Onde permitem elevar a qualidade de vida de famílias e incrementar atividades econômicas, no entanto, sem agredir a natureza. Projetos assim evitam a adoção de medidas com alto impacto ambiental. saiba mais »
Loja Redmax

Redes Sociais

RSS Feed Twitter Facebook Delicious

Cadastre seu e-mail

O Parque Nacional de Kakadu

Postado por Defensor da Natureza em 9 de agosto de 2013 recebeu: 0 Comentários »

Conheça agora através do nosso blog um lugar da Austrália que é incrível, se chama Parque Nacional de Kakadu. Confira agora!

O Parque Nacional Kakadu é um parque nacional australiano localizado no Território do Norte. Localiza-se a 171 km, ao leste, da cidade de Darwin, capital do território. Foi estabelecido em 1981 e cobre uma área de 19.804 km². A sua gestão é conjuntamente feita pelo governo australiano e pelos aborígenes da área.

O parque é reconhecido pela UNESCO como um patrimônio mundial, devido às gravuras rupestres aborígenes e ao ecossistema com rica biodiversidade. A área tem sido habitada por mais de vinte mil anos e algumas das gravuras supõem as manifestações pictóricas mais antigas da humanidade conservadas até os nossos dias.

Designado como Patrimônio da Humanidade pela sua importância como habitat de zonas úmidas, é o lar de um terço da população das aves da Austrália, constituído ainda um refúgio para répteis e mamíferos. No Kakadu as orlas costeiras têm mangais e florestas de chuvas e, ao sul, encontram- se bosques e savana. As planícies elevam- se em escarpas rochosas de ravinas e quedas d´água.

Características físicas:
Mangal
Floresta de chuva
Pântano
Escarpa
Fronteira do Parque Nacional

Fatos principais:
Habitat: Rios, pântanos, mangais, afloramentos rochosos.

Clima:
Monções com temperaturas entre os 17° C e os 37°C.

Bio- diversidade: Rica mistura de aves, répteis e mamíferos

Estado do habitat: Protegido

Ameaças ao habitat: Crescente exploração mineira de urânio

Saiba mais!

Esta reserva arqueológica e etnológica única permaneceu habitada de forma contínua por mais de 40.000 anos. As pinturas rupestres, petróglifos e sítios arqueológicos registram as habilidades e o modo de vida dos habitantes da região, desde os caçadores e coletores do período pré-histórico até os aborígines que ainda vivem na área. Trata-se de um exemplo único de um complexo de ecossistemas, incluindo zonas de entre marés, planícies aluviais, vales e planaltos, e constitui o habitat de uma ampla variedade de espécies animais e vegetais raras ou nativas.

O parque compreende quatro acidentes geográficos importantes: o complexo de escarpa e o planalto da Terra de Arnhem, as colinas e bacias do sul, a superfície de Koolpinyah e planícies fluviais costeiras. A margem oeste do planalto da Terra de Arnhem abrange as escarpas que variam de 30 a 330 m de altura por uma distância de aproximadamente 500 km. Além dos quatro principais acidentes geográficos, no parque existem quase 500 km2 de áreas de variação de marés e estuários, além de duas ilhas. O clima monçonense tropical, com suas estações úmidas e secas bem marcadas, é o fator principal que determina a hidrologia da superfície, a vegetação e, com o passar do tempo, os acidentes geográficos da região do parque.

A vegetação pode ser classificada em 13 grandes categorias, das quais sete são dominadas por uma espécie distinta de Eucalyptus (eucalipto). Outras categorias incluem mangues, salicórnia, floresta tropical de vales, pântano de melaleuca, planície fluvial sazonal e floresta tropical de arenito. Em relação à flora, esta é a área mais diversa e mais natural do norte da Austrália, com 46 espécies de plantas consideradas raras ou ameaçadas e nove restritas ao parque.

Devido a sua diversidade de paisagens, que compreende os habitats marinhos e costeiros (que abrigam grandes populações de tartarugas e dugongos) até a árida escarpa de arenito, Kakadu é um dos parques com maior abundância de vida selvagem do mundo. Um quarto de suas espécies de peixes de estuários e de água doce são encontrados em Kakadu. Altas concentrações de aves aquáticas (2,5 milhões) fazem uso sazonal das planícies aluviais do parque e há uma ampla diversidade de invertebrados, que inclui 55 espécies de cupins e 200 espécies de formigas (10% do número total do mundo), bem como uma grande diversidade de pequenos mamíferos. O parque também contém o habitat de reprodução do crocodilo de água salgada e a tartaruga nariz de porco, répteis ameaçados de extinção.

No parque são encontrados os principais acidentes geográficos, que proporcionam um notável exemplo das mudanças geológicas antigas e recentes do continente. o parque também contém muitos exemplos de espécies relictuais e espécies que representam vários períodos da evolução biológica da fauna australiana. Os rios costeiros e as planícies aluviais ilustram os efeitos ecológicos da mudança no nível do mar nessa parte da Austrália. O parque oferece uma oportunidade única de investigar os processos de evolutivos em grande escala em uma paisagem intacta.

A região foi afetada minimamente pela colonização europeia, em comparação com o restante do continente. Assim, a vegetação natural permanece abundante na área e relativamente inalterada e a composição da fauna está praticamente intacta. Aproximadamente 300 aborígenes residem no parque, inclusive os proprietários tradicionais e aborígenes com reconhecidos vínculos sociais e tradicionais que os conectam à área. O parque contém muitos sítios arqueológicos, sagrados e artísticos dos povos aborígenes.

O que você achou deste parque? Super bacana não é mesmo? Nos conte nos comentários o que você achou e quais lugares gostaria de conhecer mais através do blog.

Postado em: Meio Ambiente, Natureza, Paisagens



Resposta