Sobre nós

Levar desenvolvimento e qualidade de vida para as famílias sem comprometer o planeta. É assim que todos devemos nos comportar através da educação ambiental ao desenvolvimento de novas tecnologias produtivas, tendo o meio ambiente como prioridade. O aproveitamento das fontes renováveis de energia e soluções de eficiência energética ganham destaque nas iniciativas das empresas. Onde permitem elevar a qualidade de vida de famílias e incrementar atividades econômicas, no entanto, sem agredir a natureza. Projetos assim evitam a adoção de medidas com alto impacto ambiental. saiba mais »
Loja Redmax

Redes Sociais

RSS Feed Twitter Facebook Delicious

Cadastre seu e-mail

Chegou a hora de reciclar o lixo!

Postado por Defensor da Natureza em 11 de novembro de 2013 recebeu: 0 Comentários »

O nosso planeta precisa de ajuda e nós como Defensores da Natureza devemos ajudar e para isso é muito fácil, o primeiro passo é saber reciclar, quer saber como podemos reciclar o nosso lixo e conhecer outras dicas? Confira abaixo:

Para começar, crie o hábito de, pelo menos, separar resíduos orgânicos dos secos. Utilize de preferência sacos biodegradáveis;

  • Atenção: ao ir às compras em supermercados, evite usar as sacolas plásticas convencionais, prefira as de naylon, que são reutilizáveis ;
  • Para aprimorar a separação, tenha também uma lixeira específica para reciclagem, com nichos para cada tipo de lixo: papel, vidro, plástico e metal;
  • Crie o hábito de lavar e secar bem as embalagens tetrapack após o uso e dobrá-las sempre que possível para não fazer volume;
  • Lave e seque as embalagens de lata, alumínio, PET, plástico e vidro para evitar ratos, baratas e outros tipos de insetos;
  • Diminua o tamanho das garrafas PET e de latinhas, amassando-as com as mãos ou pisando em cima delas. No caso da garrafa, depois feche a tampa. Com as latinhas, use amassadores para facilitar;
  • Separe os papéis, rasgue-os em pedaços ou empilhe as folhas em vez de amassá-las. Papel amassado ocupa mais espaço, dá mais trabalho e encarece o transporte;
  • Se o condomínio ou residência não tiver o serviço de coleta seletiva, vá guardando tudo em caixas separadas e depois leve o material até um posto mais próximo. Existem vários sites com endereços;
  •  Incentive o síndico ou os moradores do bairro a construir coletores para separar, pelo menos, os materiais secos dos orgânicos. Rapidamente, catadores da região enxergarão essa oportunidade. Os resíduos são fonte de renda para muitas pessoas. Um pequeno esforço tornará toda a comunidade em aliados do meio ambiente.

O QUE NÃO VALE A PENA FAZER

Separar o lixo seco por tipo de material. As empresas e cooperativas farão uma nova triagem- estando o lixo organizado ou não.

Óleo de cozinha
O óleo de cozinha é um dos alimentos mais nocivos ao meio ambiente. Jogado no ralo da pia, ele termina contaminando rios e mares. Eis o número: 1 LITRO de óleo de cozinha polui 1 MILHÃO DE LITROS de água.

Lâmpadas
O que fazer: separar as fluorescentes num lixo à parte. Misturados aos outros restos, os cacos costumam ferir os catadores. Já as lâmpadas incandescentes não são recicladas, uma vez que, segundo mostram as pesquisas, não causam impacto negativo no meio ambiente – elas devem ser depositadas, portanto, no lixo comum.

Cacos de vidros planos e de espelhos
O que fazer: embalar em jornal e colocar num lixo separado. Seguirão para vidraçarias – e não para as tradicionais fábricas que reciclam vidro.

Baterias
O que fazer: reciclam-se só as de telefones sem fio, filmadoras e celulares – as outras, assim como as pilhas, têm baixa concentração de metais pesados e por essa razão não são tidas como prejudiciais ao meio ambiente. Para reciclar, faça um lixo separado: como as baterias são frágeis, podem romper-se e contaminar o restante dos detritos.


AS CIDADES QUE MAIS RECICLAM
Os cinco municípios brasileiros onde a prefeitura faz chegar o serviço de coleta seletiva a 100% das residências, segundo um novo levantamento por amostragem no país:

1. Curitiba (Paraná)
A cidade é uma das campeãs em reciclagem: a fórmula que deu certo lá inclui o uso de caminhões que recolhem apenas o lixo seco- sem nenhum resto orgânico. O resultado é que o lixo fica mais limpo e acaba vendido por um preço mais alto às indústrias de reciclagem. Isso ajuda a tornar o sistema de coleta seletiva em Curitiba mais barato (e viável) que o da maioria das cidades brasileiras

2. Itabira (Minas Gerais)

3. Londrina (Paraná)

4. Santo André (São Paulo)

5. Santos (São Paulo)

São com pequenas atitudes que iremos realizar grandes mudanças não só em nosso lar, mas sim em nossa cidade e porque não no mundo também não é mesmo Defensores?!

Postado em: Reciclagem



Resposta